Mais de 27% dos óbitos em Tramandaí são em decorrência da AIDS

O município de Tramandaí é o segundo colocado no Estado do Rio Grande do Sul em casos e registros de óbitos motivados pela AIDS em 2017. Do total de mortes na cidade, 27,7% foram em decorrência da doença. Só “perdemos” para a cidade de Charqueadas, na Região Metropolitana de Porto Alegre. A faixa etária com mais casos se estende entre 25 e 39 anos e estão distribuídas em todas as classes sociais.

Um dos principais obstáculos enfrentados pelos profissionais de saúde no município é a falta de continuidade do tratamento e o preconceito ainda existente na sociedade, que afasta muitas pessoas dos exames diagnósticos.

Mas você sabia que os testes são rápidos, eficientes e contam com o total sigilo? Sim, o teste não é chamado de “rápido” por acaso. Entre 15 e 30 minutos o paciente já sai com o resultado e recebe todo o acompanhamento necessário, tanto clínico como psicológico. A identidade do paciente é preservada. Não há qualquer tipo de divulgação de nomes.

Todos os postos de saúde de Tramandaí estão aptos a realizarem o teste. Além do HIV, também é possível identificar hepatite e sífilis. Uma vez identificado o vírus, o paciente passa a receber via SUS a medicação.

Há uma saída para a AIDS? Sim, a prevenção. Para evitar a transmissão, recomenda-se o uso de preservativo durante as relações sexuais, a utilização de seringas e agulhas descartáveis e o uso de luvas para manipular feridas e líquidos corporais, bem como testar previamente sangue e hemoderivados para transfusão. Além disso, as mães infectadas pelo vírus (HIV-positivas) devem usar antirretrovirais durante a gestação para prevenir a transmissão vertical e evitar amamentar seus filhos. Previna-se! Proteja-se! E em casos de dúvida, faça o teste rápido. É a sua vida e de sua família que estão em jogo.

_

Texto: Maxwell Bernardes (ASCOM)

Fonte: Ministério da Saúde

Imagem: Freepik

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *