Corpo de Bombeiros Militar dá início ao 1º Censo da corporação no RS

Destaque Geral Tecnologia

O Corpo de Bombeiros Militar (CBMRS) deu início, nesta terça-feira (17/5), ao primeiro Censo da história da corporação. A finalidade do levantamento é reunir dados que possibilitem a produção de conhecimento relativos ao perfil dos integrantes da instituição. Com frequência trianual, o Censo começa pelo 1º Batalhão de Bombeiro Militar (1º BBM), de Porto Alegre, em projeto piloto, e será realizado entre os meses de maio a setembro em todos os demais batalhões do Estado. O processo vai cobrir 100% do efetivo ativo do CBMRS.

O levantamento de dados pelo processo censitário vai fornecer informações sobre a estrutura do Corpo de Bombeiros Militar e o perfil de seus servidores, imprescindíveis para o planejamento estratégico da corporação. O conjunto de conhecimentos servirá para subsidiar a elaboração de análises, diagnósticos, políticas institucionais de aprimoramento das condições de trabalho, capacitação, desenvolvimento, melhoria da qualidade de vida e valorização profissional dos bombeiros militares.

Para realização do Censo, foi nomeada uma Comissão Executiva de Implementação, na qual há possibilidade de integração com outros setores da instituição. A construção do processo também contou com importante colaboração da Brigada Militar, que cedeu o banco de questões utilizado por ocasião do 1º Censo da BM, realizado em 2020, bem como compartilhou conhecimentos absorvidos ao longo do processo, de forma a facilitar a elaboração do 1º Censo do CBMRS.

A coleta das informações se dará por meio de entrevista presencial em sala reservada e acesso individualizado, com o preenchimento simultâneo de formulários disponibilizados em link de acesso aos recenseadores. O CBMRS destaca salienta ainda que todos os dados pessoais dos participantes estarão protegidos, de acordo com as determinações da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). Informações de cunho pessoal serão coletados somente para fim de análise estatística agregada, e não haverá qualquer identificação dos militares entrevistados.

Texto: Ascom CBMRS
Edição: Carlos Ismael Moreira/SSP