Alemão Caio é encontrado morto em cela na Penitenciária de Osório

Carlos Flores Chaves Barcellos, conhecido como Alemão Caio, foi encontrado morto, na madrugada desta sexta-feira, em sua cela na Penitenciária de Osório, no Litoral Norte. O ex-empresário foi condenado a 41 anos e 3 meses de prisão pelo assassinato de José Augusto Bezerra de Medeiros Neto, namorado de sua ex-mulher.

De acordo com a Brigada Militar, Alemão Caio estava na cela EA03, do módulo MV3, da penitenciária, com mais um apenado, que disse aos agentes que estava dormindo no momento da morte do ex-empresário. A suspeita é de que Alemão Caio tenha cometido suicídio. Por volta das 2h de hoje, os apenados chamaram os agentes penitenciários informando a morte de Alemão Caio. O local foi isolado e passou por perícia. O ex-empresário já foi encaminhado ao Demartamento Médico Legal.

Pioneiro no surf no Rio Grande do Sul e  integrante de uma das famílias mais tradicionais do Estado, ele só foi julgado em setembro deste ano, após o júri ser adiado cerca de cinco vezes devido às fugas do suspeito. Ele também foi condenado por tentar matar a ex-companheira, Ivanise Menezes, em frente ao filho do casal. Os crimes ocorreram em 2011, em Torres, no Litoral Norte.

Alemão Caio estava preso desde 22 de agosto, quando foi detido ao tentar entrar em motel, no bairro Azenha, em Porto Alegre.

Rede de apoio

O Brasil possui atendimento gratuito e anônimo para apoio emocional e prevenção do suicídio para pessoas que estejam lutando contra a depressão. O atendimento pode ser realizado por email ou bate-papo pelo site do Centro de Valorização da Vida (CVV), de segunda à quinta-feira, das ou pelo número de telefone 188 ou 141 (nos estados Bahia, Maranhão, Pará e Paraná).

Confira os horários do bate-papo em cada dia da semana:

• Domingos = das 17h às 01h

• Segundas-feiras = das 09h às 00h

• Terças-feiras = das 09h às 01h

• Quartas-feiras = das 09h às 01h

• Quintas-feiras = das 09h às 01h

• Sextas-feiras = das 15h às 01h

• Sábados = das 16h às 23h

 

Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *